Portal IFNMG - Serviço de Informações ao Cidadão do IFNMG tem nova composição de respondentes Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Serviço de Informações ao Cidadão do IFNMG tem nova composição de respondentes

imagem sem descrição.

É natural que com o crescimento e o desenvolvimento do IFNMG aumentem também as demandas por acesso a informações. Por isso, a equipe de respondentes do Serviço de Informações ao Cidadão (SIC) foi, recentemente, ampliada. Agora, seis servidores são responsáveis por atender o cidadão que deseja solicitar informações sobre o Instituto. Antes, eram apenas três.

O chefe de Gabinete do IFNMG-Reitoria, Pedro Borges Pimenta Júnior, é o responsável por monitorar o trabalho do SIC no Instituto. Ele explica que todas as informações produzidas dentro da instituição são públicas, exceto algumas informações que a própria lei define como reservadas, sigilosas. A publicidade das informações é garantida pela Lei de Acesso à Informação, Lei 12.527/2011, que é a regulamentação do direito à informação, estabelecido na Constituição Federal, art. 5º. “A Lei de Acesso à Informação é objeto de acordos internacionais assinados pelo Brasil e faz parte das políticas de combate à corrupção e de transparência dos poderes da administração pública. O SIC é uma das ferramentas da Lei 12.527/2011 e tem como uma das funções materializar o direito à informação de qualquer cidadão”, esclarece o chefe de Gabinete.

Cinco anos de resultados

Desde o dia 16 de maio de 2012, o SIC está funcionando no Instituto. Um relatório do serviço, gerado no mês de julho deste ano, identificou que já foram processados 478 pedidos de informação. O tempo médio de respostas tem sido de, aproximadamente, 19 dias. O prazo que a administração pública tem para responder é de 20 dias, podendo ser prorrogado por mais dez dias. Durante todo esse período de implantação, apenas 70 pedidos foram prorrogados.

“Geralmente, as informações já estão disponíveis no Portal do IFNMG. É o que a gente chama de transparência ativa. Ou seja, às vezes, a pessoa não sabe o caminho, e o SIC vai apenas indicar o caminho. O SIC também tem essa função educativa. Aquilo que não está no Portal, na transparência ativa, é obrigação da instituição divulgar, desde que não fira nenhum direito de sigilo”, afirma Pedro Borges.

O sigilo existe porque a Lei Geral de Acesso à Informação também determina que algumas informações podem ser mantidas em sigilo, entre elas, dados pessoais, como identidade, CPF e endereço. Além disso, o SIC não é um instrumento para requerer algum serviço, fazer elogio, denúncia etc. O SIC existe para processar os pedidos de informação. Alguns tipos de requerimento devem ser feitos por outros canais.

Instrumento de cidadania

Para o responsável pelo monitoramento do SIC no Instituto, trata-se de um serviço que, se bem utilizado, serve para o crescimento da cidadania. “O SIC, inclusive, colabora para que a Instituição melhore seus processos, melhore sua forma de comunicação com a comunidade, com a sociedade, porque o Serviço de Informação ao Cidadão é como se fosse uma forma de controle externo. Se a instituição fica fechada, ela trabalha do jeito que quer e não atende plenamente. Com o SIC, se as pessoas perguntam, é porque está faltando informação, ou então os processos não estão claros, ou a comunicação com a comunidade é ruim.

O cidadão que deseja obter alguma informação pode solicitar por telefone, e-mail, pessoalmente, pelo e-SIC ou, até mesmo, por correspondência. Uma das respondentes do SIC, a revisora de textos, Luciana de Lacerda de Carvalho, destaca três pontos importantes sobre o serviço: “A primeira coisa que o cidadão deve saber é que pode solicitar dados e informações da administração sem necessidade de apresentar motivo. Neste caso, o acesso é a regra, e o sigilo, a exceção. Em segundo lugar, a instituição tem prazo para enviar a resposta, concedendo acesso à informação ou não (no caso de informações sigilosas): são 20 dias, prorrogáveis por mais 10. Em caso de descumprimento do prazo, o cidadão pode protocolar reclamação, pelo mesmo meio em que fez o pedido. Em terceiro lugar, o cidadão tem o direito de protocolar recurso, caso a resposta não lhe atenda”, detalha a servidora.

No IFNMG, o pedido pode ser feito por meio dos seguintes canais:

Telefone: (38) 3201 3050.
Setor de Protocolo: Rua Coronel Luiz Pires, 202, Centro. Montes Claros/MG.
Correspondência: Rua Coronel Luiz Pires, 202, Centro. Montes Claros/MG – CEP:39400-106.
e-SIC: http://www.ifnmg.edu.br/acessoainformacao

Fim do conteúdo da página