Portal IFNMG - Senhoras e senhores, a aula inaugural do curso de Teatro foi um espetáculo Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Senhoras e senhores, a aula inaugural do curso de Teatro foi um espetáculo

Publicado: Quinta, 11 de Agosto de 2016, 11h36 | Última atualização em Quinta, 11 de Agosto de 2016, 11h57
imagem sem descrição.

Alunos, professores e servidores do IFNMG-Campus Diamantina tornaram-se testemunhas de uma noite em que um sonho acabava de se concretizar: o primeiro curso técnico em Teatro do IFNMG e o terceiro da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica no Brasil.

No lugar da sala de aula, o Teatro Municipal Santa Izabel. No lugar de um professor, o palhaço Cristiano Pena conduzia o evento. No lugar de matérias, apresentações do Coral Cênico da Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e do Mucuri (UFVJM), coordenado pelo professor e regente Rafael Madureira, e de um dos grandes estudiosos da cultura popular no Brasil, o franciscano holandês Frei Chico, autor do Dicionário da Religiosidade Popular. Frei Chico fez aniversário no dia da aula inaugural, 03 de agosto.

Na verdade, a noite foi o ponto de encontro de muitos sonhos, como disse, em seu discurso, a professora e coordenadora do curso técnico em Teatro, Mariana Emiliano. “Os sonhos são como águas, crescem quando se encontram”, afirmou emocionada Mariana, para quem a arte foi instrumento de salvação. “A arte deixa a gente mais sensível, eu costumo dizer que a arte me salvou de mim mesma, porque eu tinha tudo para ser uma pessoa dura, endurecida pela vida, e eu escolhi fazer arte, eu me salvei, a arte me salvou e me deixou mais sensível”, revelou a professora.

Foto 2 Discurso Mariana

E é para deixar o mundo mais sensível que, segundo a coordenadora, é válido defender a arte. Ela reconhece que há muitas dúvidas em relação ao trabalho do profissional ator, mas não duvida de que esse novo curso tem como missão transformar vidas. “Uma das maiores dificuldades enfrentadas pelo artistas, arte-educadores e professores de artes é a não compreensão do seu trabalho real. Há muitas dúvidas, muitos preconceitos que dificultam, por exemplo, que uma instituição se disponha a bancar uma empreitada e uma missão dessa. E por essa coragem institucional, eu agradeço e parabenizo a toda a gestão do IFNMG. E eu tenho certeza de que a decisão do IFNMG transformará a vida de muita gente, como já está transformando e como já transformou a minha”, destacou Mariana.

Trajetória

O prefeito de Diamantina, Paulo Célio de Almeida Hugo, falou sobre a presença do IFNMG na cidade e sobre a escolha dos novos cursos por meio de uma gestão participativa. “Hoje, nós estamos colhendo esses frutos. O curso de Teatro é o terceiro filho do Instituto Federal em Diamantina e na nossa região. E que curso! Esse curso vem coroar todo o esforço que foi feito para se instalar aqui o Instituto Federal”.

O reitor do IFNMG, José Ricardo Martins da Silva, relembrou que desde 2009 e 2010 era discutida a implantação do IFNMG em Diamantina. A aula inagural do curso técnico em Teatro representa para o reitor a oportunidade de reencontrar com os resultados dos planos traçados. “Neste momento aqui, a arte do encontro está acontecendo, mesmo que tudo tenha começado com muitos desencontros. Mas hoje nós estamos celebrando e jubilando essa arte do encontro por meio do amor e da dedicação de cada servidor do Instituto, que tem como missão servir a comunidade na qual está inserida”, apontou o reitor.

Foto 3 Reitor

Quem conhece bem o esforço de cada servidor do Campus Diamantina é o professor e diretor-geral Júnio Jáber, que reconhece que a unidade em Diamantina é pequena, mas não se intimida em apresentar as ações de todos os servidores do Campus. “Nós somos só 17 servidores e só com 17 servidores nós vamos para o terceiro curso presencial, 2 mil alunos de Educação a Distância, temos 11 cursos a distância sendo oferecidos no município e na região do Alto Jequitinhonha. Além disso, nós temos uma obra em andamento e diversos eventos acontecendo neste ano”, informou o diretor.

Para Jáber, o caminho não foi nem está sendo fácil, mas assegura que não é o medo que vai barrar as ações do IFNMG. “Eu sou um educador por opção, e ser um educador em um país como o nosso é como ser artista também”, argumentou o diretor.

Merda à primeira turma de Teatro do Campus Diamantina

De acordo com os professores do IFNMG-Campus Diamantina, o curso de Teatro é para pessoas que querem romper com o medo de concretizar a profissionalização como artista. Conhecer pessoas como o Jean Gabriel é um sinal de que o IFNMG-Campus Diamantina está no caminho certo. Ele saiu do Sul de Minas, da cidade de Bom Repouso, para cursar Filosofia em Diamantina, mas nunca encondeu sua paixão pelo teatro.

Quando o IFNMG-Campus Diamantina abriu as inscrições para o vestibular do novo curso, Jean não pensou duas vezes: fez a inscrição, realizou a prova e foi aprovado. “Começou a concretização do que antes eu acreditava que era um hobby e não queria admitir para mim que era um sonho. Quero muito contribuir para a construção do curso e acredito que o curso vai contribuir para a minha formação como ser humano e artista”.

Para Jean Gabriel e para os demais alunos da primeira turma do curso técnico em Teatro do Campus Diamantina, o IFNMG deseja muita merda a todos. Calma! No universo teatral, a expressão significa boa sorte.

Fim do conteúdo da página