Portal IFNMG - Campus Montes Claros realiza evento em comemoração do Dia Internacional dos Povos Indígenas Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Campus Montes Claros realiza evento em comemoração do Dia Internacional dos Povos Indígenas

Publicado: Terça, 13 de Agosto de 2019, 12h14 | Última atualização em Segunda, 19 de Agosto de 2019, 14h57
imagem sem descrição.

Como parte das atividades alusivas ao dia Internacional dos Povos Indígenas, o IFNMG – Campus Montes Claros promoveu, no dia 9 de agosto, a palestra “Povos Indígenas no Brasil”, proferida pelo professor Heiberle Hirsgberg Horácio, do departamento de Filosofia da Unimontes. Devido à relevância dessa temática, o evento contou com a participação dos alunos dos cursos técnicos integrados ao ensino médio, bem como dos cursos superiores, de professores e servidores do IFNMG.

Com destacada atuação na área de estudos sobre Povos Indígenas do Brasil, o palestrante, que possui doutorado e pós-doutorado em Ciências Sociais, desenvolve pesquisas sobre a religiosidade do Povo Indígena Xacriabá, no Norte de Minas Gerais, além de se dedicar a questões voltadas à Filosofia Política, Antropologia Política e Religiões Indígenas.

Para a Diretoria de Ensino do IFNMG, o objetivo principal da realização desse evento consiste em conscientizar a comunidade acadêmica acerca da inclusão dos povos indígenas na sociedade, alertando sobre a importância de assegurar direitos básicos que garantam a preservação da cultura e da tradição de cada um desses povos. Esse objetivo foi contemplado durante a fala do professor Heiberle Horácio que indicou a necessidade de se desconstruir estereótipos reiterados sobretudo em algumas homenagens ao índio, promovidas em ambientes escolares.

Entre os meios que auxiliam na preservação da identidade desses povos, o palestrante destacou a necessidade de demarcação de terras indígenas, a fim de evitar a urbanização desenfreada que os tornariam mais vulneráveis socialmente. Segundo ele, “como as terras sob responsabilidade dos indígenas se mantêm mais preservadas, a necessidade de zelar pelos direitos desses povos não deve se restringir apenas ao seu papel de agente de preservação ambiental. A defesa da cultura, da língua e da vida dos indígenas deve ser priorizada visando não só possíveis benefícios que eles possam trazer à sociedade, como a preservação do meio ambiente, por exemplo, mas pela condição de seres humanos que precisam ter todos os direitos preservados.” Salientou, ainda, que os antropólogos não podem ser vistos como porta-voz dos indígenas, mas como alguém que dialoga com esses povos. Dessa maneira, não se pode desconsiderar o protagonismo que os povos indígenas devem ter para falar de si mesmos, como demonstrou a 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, que ocorrerá entre os dias 11 e 14 de agosto, em Brasília.

Fonte: Campus Montes Claros 

Fim do conteúdo da página