Portal IFNMG - Alunos egressos do curso de Teatro do Campus Diamantina estão em cartaz em Paris Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Alunos egressos do curso de Teatro do Campus Diamantina estão em cartaz em Paris

Publicado: Quinta, 15 de Agosto de 2019, 18h10 | Última atualização em Sexta, 16 de Agosto de 2019, 17h24
Ex-alunos de Teatro do IFNMG-Campus Diamantina estão apresentando, em Paris, uma releitura da obra Casa de Bonecas, do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen. O roteiro, de cunho feminista, dialoga com as problemáticas do mundo atual (Foto: LP/Claire Fallais)
imagem sem descrição.

Enquanto o Instituto Federal do Norte de Minas (IFNMG) desenvolve aqui no Brasil a campanha Agosto Lilás contra toda e qualquer forma de violência contra a mulher, cinco ex-alunos do Campus Diamantina, um professor e uma ex-professora substituta estão em Paris, na França, promovendo essa reflexão a partir do espetáculo “Famille, Argent et (un brin de) Vérité” ou “Família, Dinheiro e (uma pitada de) Verdade”, na tradução para o português. É que a peça é baseada no texto teatral Casa de Bonecas, do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen. O detalhe é que Ibsen começou a escrever esse texto em 1878 e concluiu em 1879. Apesar dos 140 anos que separam a escrita desse texto até os dias de hoje, a temática continua bastante atual.

O roteiro de Ibsen se passa na Noruega, em uma casa confortável e de bom gosto. Nela, uma família burguesa se prepara para celebrar o Natal. Mas o casulo acolhedor e reconfortante quebra quando o segredo de Nora, a esposa jovem e alegre, ameaça ser revelada. A peça transforma-se então na revolta de uma mulher que percebe que foi submetida aos homens ao seu redor durante toda a sua vida.

O diretor da nova versão e professor de teatro do IFNMG-Campus Diamantina, Daniel Alberti, explica que esse cunho feminista foi mantido na adaptação que fizeram do texto. “Baseado na obra de Ibsen, o espetáculo tem características realistas, o que se dá, inclusive, por meio de interferências de fora, diálogos com outras peças e filmes. Ao final, o que sobra é a realidade deste mundo com todos os seus problemas”, conta o servidor.

Os franceses aplaudiram de pé a nova versão do espetáculo, que ainda traz os valores culturais do Vale do Jequitinhonha, por meio dos atores Heshley Penna, Jordão Vieira, Liliane Penna, Marcus Santos e Stheffany Hellen, todos egressos do curso técnico em Teatro, ofertado pelo IFNMG desde 2016. A ex-professora substituta do Instituto Federal Shay Soares também compõe a trupe.

Cartaz do espetáculo

O convite foi feito pelo Museé Sauvage, que fica em Paris, por meio do diretor e dramaturgo espanhol Raúl Cortés, que assistiu a uma apresentação dos estudantes em Diamantina

De Diamantina para Paris

A relação entre a campanha Agosto Lilás e a temática da peça é, na verdade, uma coincidência. O convite foi feito bem antes pelo Museé Sauvage, que fica em Paris, por meio do diretor e dramaturgo espanhol Raúl Cortés, que assistiu a uma apresentação dos estudantes em Diamantina.

O Museé Sauvage custeou as passagens áreas de todos os integrantes e parte da estada, até porque, segundo o professor, os alunos não teriam condições para bancar os custos. “Tem aluno que nunca saiu de Diamantina, nunca viajou de avião”, afirma o professor. E ele tem razão. Uma das atrizes, por exemplo, nunca tinha viajado para o exterior. Era um sonho para ela. “Eu não imaginava que o curso de Teatro iria mudar completamente a minha vida”, diz Stheffany Hellen Borges, 18 anos.

Ela e os colegas tiveram que ensaiar bastante e até aprender um pouco de francês. “Tivemos que aprender a falar meia hora da peça em francês. Quando os franceses viram a gente falando foi uma surpresa enorme”, testemunha. A parte em português é legendada.

Heshiley Dhiecy Ferreira Santos, 19 anos, também comenta sobre a emoção e a responsabilidade de apresentar na França. “Sair do nosso país e ir para outro, além de ser uma experiência imensurável, é também uma grande responsabilidade, principalmente para mim, que acabei de me formar no curso técnico de Teatro do IFNMG-Campus Diamantina. Estar aqui representa não só nossa perseverança, mas também a qualidade e a importância que o Instituto Federal tem na sociedade. Estar em Paris é mágico”, diz a atriz.

Que experiência!

A temporada de apresentações é de três semanas. A última será nesse fim de semana, dia 17/08. Desde que chegaram à Cidade Luz, o grupo divide o tempo ensaiando e aproveitando a oportunidade para passear por um museu a céu aberto. É assim que Stheffany descreve a capital francesa, dizendo-se encantada pelas ruas e por toda a arquitetura.

“Ver os museus, assistir a peças, conhecer a arquitetura da cidade, ir a shows, tudo isso está sendo uma experiência que a gente nunca vai esquecer. A Torre Eiffel é gigante, fizemos um piquenique embaixo dela, foi muito legal. Acho que estamos num caminho maravilhoso”, reconhece a atriz.

Paris

Os integrantes do grupo ficaram encantados com a arquitetura francesa. Aproveitaram os dias livres para passear, visitar museus e  assistir a outros espetáculos

Além de levar o IFNMG, a cultura brasileira, do Vale do Jequitinhonha e de Diamantina para solo europeu, o professor destaca a importância do crescimento pessoal e profissional que a experiência proporciona aos alunos.

“Estamos no caminho certo”, acredita Daniel. E estão mesmo, tanto que o grupo já recebeu convites para se apresentar em Santiago, no Chile, e em Nova York, nos Estados Unidos. Nós, do IFNMG, só podemos desejar: merda!!! Mas calma, não se assuste. Estamos apenas desejando boa sorte. É que “merda” é uma espécie de mantra utilizado por atores de teatro antes das apresentações. 

Entre as versões de histórias que há para justificar a expressão, uma sustenta que um ator apresentaria a peça mais importante da sua carreira, extamente na França. Até chegar ao teatro, o ator teria enfrentado diversos obstáculos, o último deles aconteceu quando ele pisou num cocô. Apesar disso, sua atuação teria sido um sucesso, o que o deixou muito feliz. Outra história diz que havia um teatro  que cheirava cocô de cavalo por conta da quantidade de cavalos e espectatdores. Por isso falar merda seria uma espécie de desejar boa sorte porque o cocô do cavalo significa casa cheia. Essa, inclusive, segundo o professor Daniel é a versão mais aceita. 

Tá explicado agora!

Mídia francesa

Reprodução de um site francês, em que numa reportagem é apresentado o espetáculo do grupo de alunos do IFNMG-Campus Diamantina. Clique aqui na imagem para acessar o site

Fim do conteúdo da página