Portal IFNMG - Repercussão nacional: professora do IFNMG encontra textos inéditos do poeta João Cabral de Melo Neto Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Repercussão nacional: professora do IFNMG encontra textos inéditos do poeta João Cabral de Melo Neto

Publicado: Quarta, 15 de Janeiro de 2020, 15h08 | Última atualização em Quarta, 15 de Janeiro de 2020, 16h21
A professora do IFNMG-Campus Montes Claros Edneia Rodrigues Ribeiro encontrou cerca de 40 poemas inéditos de João Cabral de Melo Neto, além de um texto de 30 laudas sobre o panorama da literatura brasileira da década de 1950. Edneia faz parte do projeto de reedição da obra completa do autor pernambucano
imagem sem descrição.

A professora do IFNMG Edneia Rodrigues Ribeiro tornou-se notícia dos principais veículos de comunicação do país, como O Globo, O Tempo, Diário de Pernambuco, Correio Braziliense, Isto é, Hoje em Dia e Estadão. A repercussão é do tamanho do seu feito: ela descobriu textos inéditos do diplomata e poeta brasileiro João Cabral de Melo Neto, que completaria 100 anos no último dia 09 de janeiro.

Entre os textos inéditos, encontrados no Arquivo-Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, há cerca de 40 poemas e um texto de 30 laudas datilografadas, em que o pernambucano discute o panorama da literatura brasileira em 1954. Com a descoberta, Edneia foi convidada a fazer parte do projeto de reedição das obras completas do autor de Morte e vida severina. Serão dois livros, um de poesia; outro de prosa. Ambos já estavam sendo organizados por Antonio Carlos Secchin e Sérgio Martagão Gesteira e serão publicados pela Alfguara, do grupo Companhia das Letras, como parte das comemorações pelo centenário do autor.  Clique aqui para conhecer dois dos poemas inéditos.

Além do apoio da família, dos professores que teve ao longo de sua formação e do seu orientador do doutorado, a pesquisadora também credita essa descoberta ao IFNMG. “Estar afastada das atividades docentes no IFNMG durante quatro anos foi fundamental para que a pesquisa se realizasse. Além das questões geográficas, conciliar o trabalho como professora à pesquisa seria inviável. O auxílio viabilizado por meio do Programa de Bolsas para Qualificação de Servidores (PBQS) também tornou possível arcar com algumas das despesas com transporte e hospedagem, no Rio de Janeiro”, relata a professora.

Natural de Capitão Enéas, Edneia é doutora em Letras/ Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e egressa do mestrado em Letras/Estudos Literários da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). No IFNMG, ela ingressou em 2010, inicialmente no Campus Salinas e desde 2018 no Campus Montes Claros. Foi ao longo desses 10 anos que a pesquisadora teve a oportunidade de aprofundar seus estudos em literatura brasileira, poéticas da modernidade e em João Cabral de Melo Neto.

João Cabral de Melo netoNeste ano é comemorado o centenário de João Cabral de Melo Neto, diplomata e poeta pernambucano, autor de "Morte e vida severina", que faleceu em 1999 aos 79 anos. Serão lançados os volumes de Prosa e de Poesia completas do autor, com participação de Edneia Ribeiro,  professora do IFNMG (Foto: Hoje em Dia)

Entrevista com Edneia Rodrigues Ribeiro

Nesta entrevista, a pesquisadora conta como foi o percurso para encontrar os textos nunca antes publicados, como estão sendo desenvolvidos os trabalhos para publicação dos livros, além de destacar a importância do poeta João Cabral de Melo Neto e da pesquisa na área de humanas e literatura, sobretudo no contexto atual.

Portal IFNMG – Você é autora da tese de doutorado “Um Museu de duas faces: poesia de circunstância em João Cabral de Melo Neto”, trabalho orientado pelo professor e poeta Sérgio Alcides Pereira do Amaral. Foi durante essa pesquisa que você encontrou os textos inéditos do poeta pernambucano?
Edneia Ribeiro – Como o meu projeto de doutorado consistia em analisar poemas do livro Museu de tudo, nos quais João Cabral toma outros escritores brasileiros como tema, muitos deles amigos do poeta - Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo, Marques Rebelo, Willy Lewin, Vinicius de Moraes, Lêdo Ivo e Gilberto Freyre - parte do trabalho envolvia pesquisa em documentos de cunho mais subjetivo, como as correspondências que se encontram no Arquivo-Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa. O meu primeiro contato com as fontes primárias do poeta ocorreu em meados de 2016. Diante de um material vasto, cujo inventário analítico é constituído por quase 600 páginas, percebi que as cartas tinham um papel secundário naquele acervo. Depois de pesquisá-las, passei a garimpar documentos de outras seções como originais de livros, a prosa de João Cabral e a sua produção intelectual. De 2016 a 2018, passei algumas semanas pesquisando documentos na Casa Rui Barbosa. No entanto, o meu contato com a família, a agente e os editores do poeta só aconteceu em outubro de 2019.

Portal IFNMG – Muitas pessoas podem ter a impressão de que a descoberta foi fácil e ao acaso. Isso procede?
Edneia Ribeiro  Não foi um processo fácil. Primeiro porque o material é muito vasto e os manuscritos inéditos encontram-se misturados àqueles já publicados. Outros pesquisadores podem ter encontrado o material, mas não seguiram adiante com a pesquisa. Depois, há questões que envolvem a nossa própria condição. Em algumas fases do trabalho, precisei levar minha filha para digitar os documentos, pois eu estava fisicamente inapta para atividades ligadas à escrita, já que trato de dores e espasmos nas mãos por conta de uma patologia conhecida como cãibra do escrivão.

Portal IFNMG – O poeta e professor Antonio Carlos Secchin também é um dos grandes estudiosos do poeta João Cabral de Melo Neto. É ele quem está organizando o volume da poesia de Cabral, que será publicado em junho por meio do selo Alfaguara, da Companhia das Letras. Como você o conheceu? Ele o ajudou a encontrar os textos inéditos?
Edneia Ribeiro – O Secchin foi convidado para compor a banca de defesa da minha tese. Não pôde comparecer, mas aceitou na condição de suplente. Como é muito gentil, deu um retorno por e-mail sobre o meu trabalho e me enviou alguns dos seus livros, entre eles “Cantar de amigo” (Edição de 250 exemplares fora do comércio, numerados e assinados pelo autor). Foi o único diálogo que tivemos antes de eu ser incluída como organizadora da seção de inéditos e dispersos que integrarão a Poesia completa que já estava sendo organizada por ele. O Secchin é considerado o maior especialista na obra do Cabral e foi responsável pela organização das duas últimas edições da Poesia completa de João Cabral (2008) e (2014). A descoberta dos inéditos é fruto da minha pesquisa de doutorado, com exceção do meu orientador, não envolvia outros professores.

Portal IFNMG – Vocês estão trabalhando juntos agora?
Edneia Ribeiro – Como o espólio de João Cabral, que se encontra na Casa Rui, é muito vasto, pretendo retomar a pesquisa, mas ainda não há um grupo formado por outros membros. Neste momento, o trabalho com o Secchin consiste em confirmar a autenticidade dos textos, separar os inéditos dos dispersos e tentar transcrever os manuscritos de leitura mais difícil que eu não consegui inicialmente. Como dispersos serão considerados aqueles que, mesmo não aparecendo na obra completa do poeta, tenham sido publicados em outros meios. É o caso do “Poema flash“, feito para a escritora Regina Célia Colônia. Após ler o manuscrito, adquiri seus livros e pude identificá-lo na contracapa de um deles. O foco agora é finalizar a conferência desse material e organizá-lo para que seja publicado nos volumes que serão lançados pela Alfaguara.

Portal IFNMG – Qual será a sua participação nesses volumes?
Edneia Ribeiro – A editora Alfaguara já estava preparando o lançamento da obra completade João Cabral no ano do seu Centenário os volumes de Prosa e de Poesia completas já estavam sendo organizados pelos professores Sérgio Martagão Gesteira e Antônio Carlos Secchin, respectivamente. Após revelar os resultados das minhas pesquisas e de oferecer o material escavado por mim, como intuito de tornar a obra de João Cabral mais completa possível, entrei como colaboradora nos dois volumes. Serei responsável pela organização da seção de Inéditos e Dispersos e de um texto explicativo que integrarão a Poesia completa. Na prosa, escreverei um prefácio ou posfácio e terei outra participação que ainda não foi definida.

Portal IFNMG – Desde o mestrado você estuda o João Cabral a partir da escrita da dissertação intitulada “A fissura do duplo em A educação pela pedra: consolidação de uma prática de antilira”, tendo como orientador o professor Rodrigo Guimarães. Ao longo de todos esses anos estudando, o que você considera precioso em toda a obra de João Cabral?
Edneia Ribeiro – Penso que o comprometimento da poesia de João Cabral com o homem, principalmente com aquele à margem da sociedade, é algo atemporal, pois infelizmente muitas das mazelas denunciadas em seus versos continuam definindo uma estrutura de exclusão social, no Brasil, até hoje. Independente do contexto hostil em que temos vivido, sempre me agarro aos seus versos: “Fazer o que seja é inútil./Não fazer nada é inútil./Mas entre fazer e não fazer/ mais vale o inútil do fazer”. 

Portal IFNMG – E como continuar comprometido com os marginalizados?
Edneia Ribeiro – Seguirmos com nosso trabalho sério à frente de instituições públicas responsáveis por zelar pela cultura, pela arte e pelo saber, neste país, é uma das maneiras de sermos úteis, apesar das adversidades enfrentadas. É importante enfatizar que a pesquisa que deu origem à descoberta dos inéditos de João Cabral passa por três instituições federais: IFNMG, que me liberou das atividades docentes durante quatro anos; a UFMG, onde cursei gratuitamente um doutorado que atende a padrões de qualidade internacional (conceito 7); e a Fundação Casa de Rui Barbosa, que mantém os documentos do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira muito bem conservados e acessíveis aos pesquisadores.

Portal IFNMG – Além dessas instituições, há alguém que foi determinante para essa descoberta?
Edneia Ribeiro – Com certeza, o meu orientador Sérgio Alcides. Além da paciência e generosidade com que acreditou na realização do meu trabalho, o fato de possuir uma formação intelectual muito sólida e abrangente me levou a exigir muito de mim mesma. O seu comprometimento com a literatura me encorajou a priorizar o texto poético e as próprias teorias literárias, em vez de dispersar minha atenção com teorias de outras áreas. Ele exigia que eu tivesse um domínio total das edições de livros lançados por João Cabral. O ato de ler e reler a obra do mesmo poeta várias vezes me deixou bastante familiarizada com a poesia cabralina. Com certeza, isso fez um diferencial para que, ao ler os manuscritos, eu pudesse identificar os textos inéditos.

Portal IFNMG – Dá pra perceber a sua admiração pelo João Cabral de Melo Neto. Você tenta mostrar a importância desse autor para seus alunos?
Edneia Ribeiro – Como no IFNMG não há cursos na área de Letras, sempre trabalhei o João Cabral com os alunos de modo mais simples, a fim de despertar neles o interesse pela obra do poeta. Levo, com frequência, textos dele para as minhas aulas, mesmo que a sua poesia não seja o assunto principal. Com os terceiros anos, consegui desenvolver trabalhos mais pontuais, como, por exemplo, a leitura comparativa de Morte e vida severina (1956) com o curta-metragem “Vida Maria” (2007), de Márcio Ramos.

Portal IFNMG – A sua descoberta, fruto da sua pesquisa de anos, é um presente para todos os brasileiros e, especialmente, para quem ama e valoriza a literatura brasileira. Como você se sente diante de tanta repercussão positiva sobre o seu trabalho?
Edneia Ribeiro – Em um contexto no qual o saber, a arte e a cultura já não possuem tanta valia, a repercussão de um trabalho da área de Letras traz ânimo tanto para mim quanto para outros pesquisadores das Letras e das Ciências Humanas, cujos resultados, apesar da importância, recebem pouca visibilidade. A descoberta desses inéditos do João Cabral indica que pesquisas nessas áreas são fundamentais para a preservação da cultura e da arte brasileira. Portanto, é importante que a sociedade e, principalmente, os gestores parem de valorizar apenas pesquisas que tragam resultados imediatos. Nossas pesquisas, nas áreas de Letras e Ciências Humanas, também geram resultados e são capazes de mudar o curso da nossa história.

Veja matérias publicadas. Clique para acessá-las.

- Inéditos de João Cabral de Melo Neto serão publicados para marcar centenário | O Globo

Mineira encontra textos inéditos de Melo Neto, que completaria 100 anos nesta quinta-feira | Hoje em Dia

- Outros escritos de João Cabral | O Tempo

- Nos 100 anos de João Cabral de Melo Neto, livros do poeta serão lançados | Correio Braziliense

- Obras inéditas e biografias celebram centenário de João Cabral de Melo Neto | GaúchaZH

- 100 anos de João Cabral, uma vida em prosa e verso | Isto é

- Há 100 anos, nascia João Cabral de Melo Neto, o 'poeta engenheiro' | Diário de Pernambuco

- Centenário de João Cabral de Melo Neto é celebrado com volumes de obras inéditas e biografias | Estadão

- No ano de seu centenário, obra completa de João Cabral de Melo Neto será reeditada com a inclusão de textos inéditos do poeta | Mar de Livros

Inéditos de João Cabral de Melo Neto serão publicados para marcar centenário | Blog do Flávio Chaves

- Revelados em tese da UFMG, inéditos de João Cabral vão integrar reedições de sua obra | UFMG

- Egressa do PPGL-Unimontes e da Fale-Ufmg, Edneia Ribeiro descobre textos inéditos de João Cabral de Melo Neto | Unimontes 

Fim do conteúdo da página