Portal IFNMG - IFNMG e Companhia Brasileira de Lítio assinam protocolo de intenções que abre possibilidades de cooperação mútua Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
ptenfrdeites
Início do conteúdo da página

IFNMG e Companhia Brasileira de Lítio assinam protocolo de intenções que abre possibilidades de cooperação mútua

Publicado: Segunda, 31 de Agosto de 2020, 11h15 | Última atualização em Segunda, 31 de Agosto de 2020, 11h16

foto 1

Reitor José Ricardo e Glen Cleuber, da CBL, assinaram o documento na Reitoria, em Montes Claros

O IFNMG e a Companhia Brasileira de Lítio (CBL) assinaram na última sexta-feira, 28/08, na Reitoria, em Montes Claros, protocolo de intenções com o objetivo de promover a cooperação técnica, científica e educacional entre as duas entidades. O documento abre para possibilidades de estabelecer a cooperação para intercâmbio de conhecimentos, informações e experiências, visando à formação, ao aperfeiçoamento e à especialização técnica de recursos humanos, bem como ao desenvolvimento institucional, mediante a implementação de ações, programas, projetos e atividades, nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, de interesse comum.

O protocolo de intenções foi assinado pelo reitor do IFNMG, professor José Ricardo Martins da Silva, e pelo diretor de Mineração da CBL, Glen Cleuber Lopes Marques. O momento foi compartilhado com o diretor-superintendente da CBL, Vinícius Alvarenga, e gestores do IFNMG, via transmissão, ao vivo, por videoconferência. Na ocasião, o reitor frisou a importância das parcerias público-privadas no cenário brasileiro atual: “É importante que as instituições públicas busquem novos caminhos para alavancar o desenvolvimento regional, por meio do que há de melhor nos dois lados”.

transmissao

Na  transmissão da assinatura: acima, Vínícius Alvarenga, José Ricardo e Glen Cleuber, Júnio Jaber (diretor-geral do IFNMG-Campus Pirapora) e
Elias Rodrigues (diretor-geral do IFNMG-Campus Arinos); abaixo, Edmilson Cassani (pró-reitor de Admininstração do IFNMG), Aécio Miranda
e Edson Quaresma, presidente da Fadetec, fundação de apoio do IFNMG

A CBL

A CBL opera na região do Vale do Jequitinhonha – que tem uma das maiores jazidas de lítio do país – há cerca de 30 anos, sendo pioneira em produtos de lítio na região. A Mina da Cachoeira, de onde a empresa extrai e beneficia o mineral do qual é retirado o lítio, fica em Araçuaí. A planta química, onde acontece a produção dos compostos de lítio, está em Divisa Alegre, a cerca de 180 km da mina.

Apesar de, ultimamente, a aplicação mais badalada serem as baterias de lítio, com demanda crescente no mercado mundial para produção de carros elétricos, o lítio tem uma série de outras aplicações, a exemplo de graxas lubrificantes, sais de tratamento térmico, produtos farmacêuticos, cerâmicas e vidros. No Brasil, é considerado um mineral estratégico, e sua extração e comercialização é controlada pela Comissão Nacional de Energia Nuclear.

Parceria

A relação do IFNMG com a CBL já havia acontecido, anteriormente, em situações pontuais, por exemplo, quando a empresa apoiou eventos realizados pelo Instituo no Campus Araçuaí. Mas o estreitamento da relação veio neste ano, a partir de um encontro virtual promovido por iniciativa do deputado estadual Doutor Jean Freire, que colocou a CBL em contato com representantes de instituições da região para discutir questões relacionadas à exploração do lítio. Convidado a visitar as instalações da empresa, o IFNMG enviou seus representantes, entre eles, o reitor, para conhecer a mina e a planta química. Foi dessa visita que saiu a possibilidade de formalizar uma parceria mais ampla, que culminou com a assinatura do protocolo de intenções.

“Estamos começando, agora, a compreender a atividade, qual a linha de pesquisas que eles desenvolvem lá dentro. Nosso interesse é estudar, entender, criar uma cadeia de conhecimento nesse campo [de atuação da mineradora]. Só conhecendo é que poderemos contribuir de forma positiva”, argumenta o diretor-geral do IFNMG-Campus Araçuaí, Aécio Oliveira de Miranda, que também participou da visita à CBL.

Além disso, mesmo que indiretamente, a relação entre as partes fez-se por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), que, desde meados de 2018, é dona de 33% da CBL. A Codemge foi a principal financiadora das obras de construção do novo prédio pedagógico e reforma do Laboratório de Mineração e Tratamento de Minérios do IFNMG-Campus Araçuaí, inaugurados em março deste ano. Reformado e equipado, o laboratório atenderá, especialmente, o curso técnico em Mineração, que está em processo de construção no Campus.

Pesquisa e qualificação

A gama de possibilidades de cooperação mútua, formalizada pelo protocolo assinado na última sexta-feira, é vasta e uma delas já está em prática. Trata-se de uma pesquisa que vem sendo desenvolvida pela IFNMG para avaliar o aproveitamento de subprodutos da extração do lítio (rejeito mineral) para aplicação na correção de solo para agricultura.

Outro caminho viável da parceria é para a formação e a qualificação dos colaboradores da CBL, por meio de programas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), que o IFNMG pode ofertar. Segundo o diretor de Mineração da empresa, a região ainda é muito deficiente em termos de oportunidades de formação e qualificação. A pretensão da CBL, de acordo com Glen Cleuber, é que todo o seu pessoal chegue, pelo menos, ao nível de ensino médio ou técnico, o que não é a realidade de um terço dos empregados. Atualmente, segundo ele, são 120 empregados trabalhando na mina e 230 na planta química.

“Estamos sempre precisando instalar novos processos, novas tecnologias e precisamos de pessoas capacitadas para atuar nisso. Contamos com o IFNMG nesse sentido”, explica o diretor-superintendente da CBL, Vinícius Alvarenga. Na avaliação dele, nesse processo de formação e qualificação de pessoal, será possível irradiar os benefícios para fora da empresa: “A capacitação poderá melhorar a vida das pessoas e da comunidade do Vale do Jequinhonha”.

A futura implantação do curso técnico em Mineração, pelo IFNMG, também é uma das vias promissoras de parceria, como aponta Glen Cleuber, aumentando as chances de que as demandas por pesquisa e desenvolvimento tecnológico relacionados à cadeia do lítio permaneçam no Vale. Além disso, haverá a possiblidade de oferta de estágios para alunos do IFNMG na CBL.

Fim do conteúdo da página